O que eu diria para  mim? Maria, as coisas mudam e quase sempre é doloroso, mas têm sido boas mudanças. Não tenha medo de ficar sozinha, tu sabe que consegue se virar. Demonstrar tua saudade e teu vazio não é errado. Continue assim, vivendo um dia de cada vez, isso têm dado certo. Quando tudo parecer sem sentido e escuro, resista. É como quando o frio bate na tua porta e não há nada que tu possa fazer, as mãos vão inchar, os olhos lacrimejar, vai vir a vontade de arrancar a pele por causa dessa alergia que te incomoda tanto, mas na manhã seguinte tudo já passou e tu já consegue até sorrir. Esteja contigo, não se abandone, se olhe no espelho e se admire, acredite nos elogios, internalize-os e se fortaleça.  Continue se esforçando pelas pessoas que gosta e mantenha-as por perto. E lembre-se sempre do karma, da lei do retorno. O amor tu sabe,  será encontrado nas pequenas coisas. Não se deixe influenciar, seja firme no que acredita, faça tudo por ti. Perdoe, cresça, ouça tuas músicas e dance no carro ou  em público. Não se diminua, nem aceite que alguém faça isso, tenha postura. Não sinta nojo ou remorso pelo que aconteceu, não esqueça que tua personalidade é composta por id, ego e superego, às vezes o id fala mais alto, o ego descansa e o superego é derrotado. Agradeça sempre. E no fim orgulhe-se de ser quem és, da tua história e das conquistas, orgulhe-se desse coração ingênuo e tempestuoso, alegre-se com tua energia. Respire fundo, controle os impulsos e siga para a próxima.

Deixe um comentário